Jabes Ribeiro

Jabes Ribeiro

O atual prefeito de Ilhéus, Jabes Ribeiro, participou da edição de hoje (21) do programa O Tabuleiro, apresentado por Vila Nova, na Conquista FM.

Reconhecendo a audiência do programa, o prefeito utilizou o microfone para comunicar à população, mais uma vez, sobre fatos que envolvem a sua gestão.

Na entrevista com Vila Nova, Jabes falou sobre a decisão da justiça que determinou a volta de 50% de servidores municipais para educação e saúde, e 30% para os demais serviços.

Sobre isso, o prefeito afirmou que, apesar do diálogo com as categorias estar sempre aberto, “não dá mais pra prejudicar a população”.

Para ele, a “greve já passou do tempo”, chegando a comprometer, por exemplo, o período de férias de estudante e professores, o que, segundo Jabes, “gera um ambiente desagradável [nas escolas]”.

O prefeito também falou sobre o índice da folha do município. Ele disse que terá uma reunião nesta quarta-feira com o Tribunal de Contas dos Municípios, onde poderá receber orientações, já solicitadas, sobre a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

A respeito do reajuste salarial cobrado por servidores em greve, Jabes afirmou: “o município está em dificuldades”, e enfatizou que um reajuste neste período agravará ainda mais a situação financeira da cidade.

Além disso, Jabes atentou para o fato do reajuste poder gerar futuras demissões, por acrescentar um débito insustentável. “Seriam mais de 700 pais de família demitidos”, completou.

Nesse contexto, o prefeito criticou a postura dos sindicatos. “Luto mais pela manutenção dos servidores do que os sindicatos”, disse.

Por fim, Jabes falou da redução da tarifa do transporte coletivo, que tem sido reivindicada por ilheenses e pelo Reúne Ilhéus. Segundo ele, uma auditoria nos documentos das empresas ainda não foi feita devido aos valores cobrados por instituições especialistas no assunto.  Os valores variam entre R$ 150 mil e R$ 400 mil.

O prefeito condenou certas atitudes de manifestantes. “A população não gosta de vandalismo”, enfatizou. Jabes também contou que a redução poderá ser feita, desde que se tenha um estudo técnico para isso, e discorreu sobre a redução em outras cidades.

Abaixo, ouça a entrevista de Jabes  no O Tabuleiro. Caso não esteja visualizando o player, clique aqui.